O país do futebol protege abusadores dentro e fora de campo

Reportagem: Maria Clara Monteiro / Arte: Alcione Ferreira As cinco estrelas estampadas na camisa da Seleção Brasileira de Futebol anunciam o orgulho da nação com suas conquistas mundiais no esporte. Mas quando o assunto é segurança de meninas e mulheres, a mesma...

Quase 60% das jornalistas na América Latina e Caribe sofrem violência de gênero no ambiente de trabalho

Arte e texto: Alcione Ferreira Uma pesquisa realizada com mais de 300 trabalhadoras da imprensa de 15 países da América Latina e Caribe escancarou como as desigualdades de gênero se revelam nos ambientes de trabalho ligados à comunicação. Pelo menos 66% das...

Carolina e Marielle afrontaram o sistema racista e misógino do Brasil

As histórias de Carolina Maria de Jesus e Marielle Franco se encontram nas linhas e entrelinhas da história de resistência contra o racismo institucionalizado no país. Em tempos distintos, o Brasill foi o mesmo para essas mulheres. Matéria e arte: Luana Farias 104...

A Prefeitura do Recife Tratorou a Esperança

Fotos e Reportagem: Alcione Ferreira As mãos de Givanilda Lopes, 53 anos, são calejadas porque ela mesma, com paciência e determinação, colocou uma a uma as pedras de cerâmica de sua casa, localizada na Rua Ilha do Temporal, na Vila Esperança, comunidade periférica da...

Investigações do caso Marielle Franco avançam, mas a luta por justiça e respostas continua.

No último domingo (24), a Operação Murder Inc organizada pela Polícia Federal, Procuradoria-Geral da República e Ministério Público do Rio de Janeiro prendeu Domingos Brazão, Chiquinho Brazão e Rivaldo Barbosa, como possíveis responsáveis intelectuais pelo assassinato...
Mulher é política

Mulher é política

Os anos trinta são marcados pela luta feminista pelo direito ao voto no Brasil, ecos de uma onda mundial, que já havia se propagado através dos movimentos sufragistas, a exemplo dos EUA. Figuras como Almerinda Farias Gama e Bertha Lutz, além de milhares de outras...

Por mais meninas e mulheres negras nas ciências

Por mais meninas e mulheres negras nas ciências

Quantas meninas e mulheres negras cientistas você conhece e costuma acessar suas pesquisas nos campos das ciências exatas, humanas e biológicas? Aliás, você sabia que a equipe responsável por sequenciar o genoma do novo Coronavírus em 2020 em tempo recorde, apenas...

Sabedoria Kariri no Histórias de Caboclas

Sabedoria Kariri no Histórias de Caboclas

Foto: Reprodução / Instagram. Texto por Luana Farias Ouvir "Histórias de Caboclas" é como testemunhar uma conversa entre parentes na calçada de casa. Com contação de histórias, entrevistas e diário de impressões, o podcast apresenta narrativas originárias do povo...

Espaço Delas

“A Ballroom surge cumprindo esse papel: trazer destaque aos nossos corpos”

Em conversa com o site Afrontosas, a artista Cosmus Mandacaru fala sobre o destaque da cena Ballroom em Recife e de suas experiências com o Vogue.

Texto: Ariel Lins/ Foto: Luara Guerra

O que a cena Ballroom em Recife representa? “A cena ballroom é um espaço muito importante, é aqui onde eu me sinto bem vinda, é aqui onde eu consigo mostrar o meu corpo, e tenho certeza que ele é bem vindo. Esse espaço faz com que muitas de nós se sintam acolhidas e tenhamos o destaque que não temos diariamente, não somos vistas na mídia. A ballroom ela surge cumprindo esse papel, de trazer destaque aos nossos corpos, trazer essa visibilidade que a gente tanto almeja”, afirma Cosmus Mandacaru em entrevista ao site Afrontosas.

Cantora, Dj, Performer e artista, nascida em Recife e membro da Casa Mandacaru, Cosmus ocupa um espaço em uma das cenas atuais mais efervescentes de Recife, o Vogue. A artista conta através de suas experiências como a cena ballroom tem ganhado destaque e sobre a resistência de um movimento que surgiu em 1960, popularizado vinte anos depois, e que hoje atravessa as diversas dimensões da arte. Com apenas 21 anos, a artista realiza um mergulho imersivo em um universo onde pessoas LGBTQIA+ constroem narrativas e fazem da arte um espaço acolhedor e político.

A cena ballroom em Recife reúne uma infinitude de referências, desde o surgimento das primeiras houses — coletivos hierarquizados por mother (mães) e fathers (pais) — as Balls (que são bailes onde as casas competem com outras por categorias). Nesta entrevista, conversamos sobre a subjetividade da artista e o fomento do vogue na cultura recifense, dentre outros temas.

AFRONTOSAS – Em princípio, gostaria que você comentasse um pouco sobre como você chegou ao Vogue?

COSMUS MANDACARU – Eu tive esse acesso acredito que a 6 anos atrás, junto com a minha irmã Gaia Mandacaru, onde desde o ensino fundamental a gente começou a treinar, não sabíamos que existia uma cena ativa aqui, por ser um movimento muito underground, mas a gente treinava até que chegou um ponto que ouvimos falar sobre uma ball que acontecia no Museu da Abolição. Fomos e lá a gente caiu na real que realmente existia uma cena em atividade aqui, e começamos a consumir essa cena, fomos entrando nos grupos e buscando o máximo de pessoas dessa bolha até que a gente chegou na Lady Desejo que mora exatamente no mesmo local que a gente. Começamos a treinar juntas, trocar essa experiência, como todos nós já treinávamos a um tempo então super fluiu, foi uma troca de sabedoria, a Desejo já fazia parte da Casa Mandacaru até que surgiu o convite pela própria Desejo de entrar na casa, e nisso desde então estou fazendo parte da cena. Hoje, por exemplo, eu estou fazendo Chanter da ball, que é ficar no microfone, apresentar a ball. Mas esse processo de estar inclusa na cena é bem recente, faz uns 7 meses. Eu chego na casa em 2023, mas desde 2015 a gente já vinha pesquisando sobre a ballroom, já tenho essa intimidade com o movimento há bastante tempo.

A – Queria que você falasse um pouco da casa Mandacaru

CM A Casa Mandacaru surge da necessidade de trazer a cultura ballroom para o nosso Estado. Então com isso temos a pioneira Hany Hilston que veio desenvolvendo esse trabalho junto com a galera da Vogue for Recife, que são coletivos de três casas que são a House of China, House of Kunoichis e House of Guerreiras que é a casa do pioneiro Edson Vogue. Então eles foram fomentando a cultura aqui até que chegou um determinado momento em que Hany seguiu e criou a Casa Mandacaru e desde então ela e outros membros das casas vem desenvolvendo a cena ballroom aqui em Recife.

A – Dentro das casas, existe alguma hierarquia que denomina algumas funções para alguns membros da casa? Como funciona essa questão?

CM Existe uma certa hierarquia digamos assim dentro da comunidade, é assim que as coisas funcionam. Então existem as lideranças, tem pessoas mais antigas, mas são todas gente como a gente. Gente com a mesma vivência, com a mesma ideia de certa forma, então não é algo que entra em conflito de gerações sabe, por que no final do dia está todo mundo lá para fazer a mesma coisa, é somar junto, é caminhar, é batalhar, essa energia de irmandade. Não acredito que tenha uma soberania muito obsessiva, é sobre irmandade mesmo independente de que posição você esteja. Óbvio que é importante também, existem relações humanas e é nesse ponto que todo mundo se cruza e se encontra

A – Essa chegada da cena ballroom em Recife é bem recente, como você enxerga essa efervescência da cena?

CM – A cena de Recife, não é uma cena muito grande ainda, a gente está nesse processo ainda de desenvolvimento, porém ao mesmo tempo é uma cena que fomenta muito a cultura, a gente sempre tem Balls durante os meses e estamos sempre o tempo todo tentando elevar mesmo esse conhecimento da cultura ballroom e passar para outras pessoas. Então a gente tem os treinos durante quinta, sábado e domingo no Cais do Sertão, Museu da Abolição e na Praça da Várzea. Então sempre buscamos fomentar a cultura apesar da nossa cena não ser tão grande.

Quem somos

Chegamos! Para provocar, desafiar e mover a estrutural desigualdade de gênero que segue tentando nos silenciar e invisibilizar. Afrontosas, reagimos! Não podemos permitir que se perpetuem as tantas violências que nos atingem desde muito cedo: nós meninas, jovens e mulheres. Afrontamos o racismo, a pobreza, o machismo, a intolerância religiosa, a discriminação de orientação sexual, a violência e o abuso sexual.

LEIA MAIS

Nossas redes

Inscreva-se em nossa Newsletter

Inscreva-se em nosso mailing para receber notícias e ficar sempre atualizadx sobre nosso grupo

Você foi inscrito com sucesso!

Share This