O cinema como ferramenta pedagógica para a promoção da igualdade de gênero

por | jan 22, 2022 | Notícias | 0 Comentários

O doc “Chega de Fiu Fiu” acompanha a jornada diária de três brasileiras para expor as situações de assédio enfrentadas por elas

Texto: Lenne Ferreira | Imagem: Divulgação

Pautar questões relacionadas aos direitos das mulheres exige um esforço de toda sociedade. Seja numa roda de diálogo familiar ou no ambiente de trabalho, o tema precisa fazer parte do cotidiano da vida das pessoas. Para ampliar o acesso à informação, linguagens artísticas como o audiovisual têm desempenhado um importante papel na disseminação de valores como respeito à autonomia feminina para públicos diversos. Nacional e internacionalmente são muitos os exemplos de produções comprometidas com os Direitos Humanos e que podem servir de ferramenta pedagógica para educar e orientar jovens sobre assuntos que impactam diretamente a vida de meninas e mulheres.  

Durante o último ano, houve um aumento significativo na violência contra a mulher impulsionada pelas medidas de restrição de combate à Covid-19. Essa é a percepção da maioria das mulheres brasileiras (86%), de acordo com a pesquisa de opinião Violência Doméstica e Familiar contra a mulher — 2021, que foi elaborada pelo Instituto DataSenado em parceria com o Observatório da Mulher contra a Violência. O cenário é alarmante e aponta para a necessidade de ações educativas que formatem uma outra perspectiva em relação à vida das mulheres, trabalho que também passa pelas salas de aulas.

O machismo e o patriarcado se manifestam no interior de instituições públicas, relações familiares e até em ambientes de formação como é o caso das escolas. É por isso que ativistas por uma Educação engajada com as pautas sociais defendem a introdução de temas como igualdade de gênero no processo de formação de crianças e adolescentes seja dentro das salas de aulas ou no cotidiano doméstico. O período das férias pode proporcionar momentos de trocas uma vez que muitos pais/mães/cuidadores estão mais presentes na vida das (os) filhas (os). A partir de conversas sobre assuntos cotidianos é possível introduzir reflexões que ajudem a frear o ciclo violento de ‘coisificação’ da mulher e ajudar a construir outras masculinidades, que reconheçam o valor da vida e autonomia das mulheres.

Lançar mão de materiais elucidativos, que gerem identificação nos mais jovens, pode ser uma alternativa para iniciar algumas trocas. O cinema é uma das expressões artísticas mais populares do planeta e tem servido como importante instrumento para visibilizar pautas de interesse público. Temas como violência psicológica, racismo, lgbtfobia, autonomia feminina, relacionamento abusivo já foram usados como mote para cineastas de todo o mundo produzirem roteiros que promovam reflexões e a quebra de paradigmas. 

“Quando paramos para observar as produções cinematográficas dos últimos anos, boa parte é protagonizada por mulheres que querem comunicar algo que seja importante para o debate de gênero, principalmente para estimular o diálogo sobre a diversidade em que vivemos. Temos muitos exemplos de longas, curtas, documentários que retratam as histórias das mulheres e trazem à tona a importância dos direitos garantidos para as mulheres”, pontua Jéssica Vanessa, ativista negra pernambucana. Para ela, não só a indústria do Cinema, mas expressões artísticas como o Grafite, que estampa os muros das cidades, é outra poderosa ferramenta educativa.

“Que a escola passe a ouvir mais a juventude, escutar o que ela tem a dizer”, Jéssica Vanessa, ativista pelos Direitos Humanos

Para Jéssica, construir uma educação anti misógina é um desafio que só pode ser superado com um olhar atento ao tempo presente e suas especificidades.  “Cada geração traz marcas próprias no contexto social, portanto os sujeitos são influenciados pela sociedade em que vivem e, por isso, comportam-se, pensam e agem de maneira diferenciada. É dessa forma que se pode observar como os conceitos de “adolescência e juventude” vêm se  transformando ao longo do processo de constituição de nossa civilização”, observa Jéssica, que tem dedicado sua atuação a entender o comportamento da juventude periférica. 

“O primeiro passo é a promoção de uma Educação que seja mais transformadora. Quando falo isso quero dizer que não há mais condição das escolas não pautarem temas importantes no que tange a sociedade, seja  gênero, relações étnico-raciais, diversidade cultural, entre outros temas importantes. É na escola onde os jovens estão em formação social”, defende e continua: “Acredito que a educação popular seja uma das saídas mais eficazes para formar novas tecnologias de aprendizagem. Que a escola passe a ouvir mais a juventude, escutar o que ela tem a dizer. Para mim, essa é a saída”, encerra.

Para disseminar obras que contribuíram para a defesa dos direitos das mulheres, o Instituto Maria da Penha lançou o “180Play”, uma plataforma gratuita de streaming que reúne cenas de filmes, séries e novelas para conscientizar sobre as formas de violência doméstica e familiar contra as mulheres. A iniciativa tem o apoio institucional da ONU Mulheres Brasil. O lançamento da plataforma ocorre no aniversário de 14 anos da Lei Maria da Penha (Lei n. 11.340/2006). Considerada pela ONU uma das mais avançadas no mundo na defesa dos direitos das mulheres, a lei vai além da responsabilização dos agressores e traz em seu texto outros dispositivos, como a definição dos cinco tipos de violência: física, psicológica, sexual, patrimonial e moral.

A Afrontosas selecionou algumas produções cinematográficas que podem ser utilizadas por mães/pais/cuidadores ou professores para educar crianças e jovens sobre equidade de gênero. Confira alguns títulos disponíveis gratuitamente no YouTube ou em plataformas de streaming que podem servir de pontapé inicial para introduzir o tema entre os mais novos e mais novas e ajudar no combate às violências contra as mulheres. Confira: 

Malala (2015)
Uma menina comum que só queria uma coisa: ir para a escola! A história real da vida e das lutas de Malala é uma inspiração para toda a humanidade.

Persépolis (2007)

Baseado na autobiografia em quadrinhos de Marjane Satapri, a animação conta a história de uma garota iraniana que emigra para a França para continuar seus estudos e deixar o país que estava então sob o regime do Aiatolá Khomeini. Na Europa, a menina sofre inúmeras dificuldades de adaptação e com o preconceito das pessoas. Contudo, na volta ao Irã, Marjane também não mais se encontra. A dificuldade da garota em se adequar ao que as diferentes sociedades esperam de uma mulher faz com que ela viva em uma espécie de limbo entre as duas culturas.

Chega de Fiu Fiu ( 2018)
Inspirado na campanha de combate ao assédio da ONG Think Olga e dirigido por Amanda Kamanchek e Fernanda Frazão, o documentário Chega de Fiu Fiu acompanha a jornada diária de três brasileiras: a jovem transexual e periférica Rosa Luz; a professora de História de classe média Teresa Chavez, e a estudante nordestina Raquel Carvalho. Por detrás de óculos com microcâmeras, presenciamos as protagonistas serem vítimas de abuso em plena luz do dia.

Que bom te ver viva (1989)
A cineasta Lucia Murat conta a história de mulheres que resistiram à ditadura militar brasileira, lutando pela liberdade. O filme, realizado poucos anos após o fim do regime, mostra também como elas lidam com a transição à democracia, com a memória das violências que sofreram e com os resquícios da ditadura ainda presentes.

Preciosa – Uma história de Esperança (2009)
Inspirada pelo romance “Push”, da escritora Sapphire, o filme conta a história de Claireece “Precious” Jones, uma jovem de 16 anos que sofreu diversos abusos durante sua infância. Ela engravida pela segunda vez – de seu pai – e é suspensa da escola. A diretora, então, consegue uma vaga em uma escola alternativa, onde, com a ajuda de uma educadora que consegue ver para além das marcas da violência que sofreu, ela aprende a ler e escrever e consegue mudar os rumos de sua vida.

O aborto dos outros (2008)
O documentário brasileiro discute, a partir de depoimentos com meninas, mulheres e especialistas, o tema do aborto – dos previstos em lei e em situações clandestinas. No lugar de condenar a mulher, o filme oferece um olhar sensível para a questão, problematizando, acima de tudo, a criminalização das mulheres que passam pela situação.

Gabby Douglas – Uma História de Vida (2016)
Filme baseado na história real da primeira ginasta negra americana a ganhar 2 medalhas de ouro nas olimpíadas, com certeza vai inspirar muitas meninas a persistirem!

Estrelas além do Tempo (2017)
Em 1961, em plena Guerra Fria, Estados Unidos e União Soviética disputam a supremacia na corrida espacial ao mesmo tempo em que a sociedade norte-americana lida com uma profunda cisão racial, entre brancos e negros. Tal situação é refletida também na NASA, onde um grupo de funcionárias negras é obrigada a trabalhar a parte. É lá que estão Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monáe), grandes amigas que, além de provar sua competência dia após dia, precisam lidar com o preconceito arraigado para que consigam ascender na hierarquia da NASA.

Share This