Mulheres negras decidem

por | ago 26, 2022 | Rolezinho | 0 Comentários

As eleições de 2022 estão próximas. É o momento em que a população precisa avaliar bem as propostas das e dos candidatos que disputam os cargos para deputadas(os) estaduais e federais, governadoras (es) e presidente. Apesar de ainda não ter atingido a equidade política, neste ano, o número de mulheres candidatas é considerado o maior: 33,27%, segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Aumentaram, também, o número de mulheres autodeclaradas pretas e indígenas: 18,13% e 0,88%, respectivamente.

Mesmo com alguns avanços, a participação feminina ainda é desproporcional. Para promover mais equidade nas esferas de poder, diversas organizações promovem ações que ajudem na candidatura de pessoas negras, trans, lgbtqia+ e indígenas. Para ajudar a ampliar o alcance dessas iniciativas, o Rolezinho apresenta o projeto “Mulheres negras decidem”, que tem como objetivo diversificar as narrativas nos espaços de decisão.

Imagem: Divulgação/Campanha

“Contribuir com a narrativa potente sobre o legado das mulheres negras que vieram antes de nós, das que hoje pisam nossas terras e das que virão. É assim que a campanha “Mulheres negras decidem” apresenta a atuação do projeto, que conta com o apoio do Fundo Baobá. 

A iniciativa está presente em 19 estados brasileiros, com preponderância na região Sudeste pelo histórico de fundação das ações, mas em expansão para as demais regiões.  “Nossos passos vêm de longe. Para nós, é imprescindível resgatar a atuação política do movimento de mulheres negras que, com sua determinação, dinamismo e intelecto, garante nossa sobrevivência numa sociedade marcada pelo racismo estrutural e pela misoginia”, defendem. 

O projeto articula ações que qualifiquem e promovam a agenda liderada por mulheres negras na política institucional, fortalecendo a democracia brasileira usando como estratégia a superação da falta de representatividade de mulheres negras nas instâncias de poder. A iniciativa também produz análises de dados sobre a política com a lente de gênero, de raça e de classe.

Share This