Culinária e força geracional

por | jun 27, 2022 | Rolezinho | 0 Comentários

Raça, gênero, ancestralidade e tradição. Com entrevistas a quatro mulheres fundamentais para a cultura da cidade Lagoa Santa, em Minas Gerais, a jornalista mineira Maria Luiza Damião lança luz sobre a importância – muito pouco contada – das mulheres negras na construção histórica do país. São conversas sobre identidade, legado e pertencimento.

No podcast “Em volta do tacho”, Dona Lôra, Maria José, Beth e Adélia contam suas histórias, relação e contribuição com a culinária local, por meio de saberes passados por gerações. As convidadas são integrantes da Roda das Doceiras da Lapinha, projeto turístico da cidade de Lagoa Santa, que abarca 12 mulheres. 

O tacho, material de cobre que dá nome ao podcast, é usado para mexer o doce, que é cozinhado à lenha. Em 2017, o modo artesanal de fazer os doces e as quitandas da Lapinha foi registrado como Patrimônio Imaterial do Município.

A tradição do doce sobreviveu por gerações e surgiu ainda no século 18, quando mulheres na condição de escravizadas cozinhavam nas fazendas coloniais. Os doces eram comuns em Portugal e foram adaptados com frutas e materiais ricos no Brasil. Séculos depois, passados para as próximas gerações, começaram a ser comercializados como forma de sobrevivência econômica das mulheres. 

A força presente no legado passado entre as mulheres das famílias tem um papel econômico, cultural e histórico para a cidade e para as mulheres da Lapinha. Hoje, a tradição é encontrada no Quintal da Lapinha, restaurante self-service com comida mineira. 

Conheça as redes sociais e plataformas do “Em volta do tacho”: 

Instagram: @emvoltadotacho

YouTube: https://www.youtube.com/channel/UCNN_C6qeViSMS6A6KVDkcEA

Plataformas de áudio: linktr.ee/emvoltadotacho

Share This